Se você, meu caro leitor, leu a primeira newsletter intitulada “A Evolução e a Produtividade na Indústria 4.0” dessa coletânea de informações sobre a proeminente e inovadora indústria 4.0, deve ter entendido como o capitalismo e o estilo de trabalho modificaram-se com o tempo e como a produtividade e o papel do trabalhador humano foi alterado diante dessa conjuntura. Entretanto, a indústria 4.0 junto a quarta Revolução Industrial é um assunto bem extenso, e visando isso, nos aprofundaremos nos princípios que a regem.

O primeiro princípio tem um nome bem autoexplicativo, é a capacidade de operação em tempo real, ou seja, é adquirir informações e poder dá a resposta de forma imediata, isto é, uma tomada de decisões no momento em que o problema ocorra. Esse primeiro princípio casa muito bem com outro princípio: o da virtualização, que propõe que toda indústria deve possuir uma cópia virtual de si mesma. Basicamente, isso dá o poder da fábrica se auto rastrear e permitir o controle remoto de todos os processos através de sensores e tudo que acontecer será visto, permitindo que o primeiro princípio se cumpra, afinal, com informações rápidas se poderá dá respostas rápidas.  O Terceiro princípio é algo bem presente na área de saúde e também um dos princípios que regem o SUS, a descentralização, obviamente, no contexto fabril existem fortes diferenças, mas a ideia central é a mesma, em vez de uma grande sede central mandando em tudo, sem ter o contato direto com que acontece, teremos polos menores que saberão lidar melhor com suas próprias necessidades, só que nesse contexto, os polos menores são as próprias máquinas, que apesar de ainda serem as executoras, vão ganhar um papel maior, enviarão informações, não vão apenas receber comandos e por meio de sua programação junto a IA- Inteligência Artificial- poderão resolver alguns problemas.

O quarto princípio é a orientação a serviços, que para entender precisa saber de outro conceito o de internet ofservices, que é bem extenso digno de um artigo só dele, que por sua vez deriva da Internet das Coisas, outro conceito digno de uma coletânea só dele. Mas bem, farei uma síntese do que é a  internet ofservices: Basicamente, são serviços de internet que nos auxiliam no dia a dia, em resumo, tornam nossa vida mais fácil por meio desses serviços, uma rede social como o Instagram, uma rede de relacionamentos como o Tinder, são exemplos disso. Portanto, a indústria 4.0 terá sua produção que use uma arquitetura de software orientada à esses serviços.  O próximo conceito é a modularidade que consiste na produção de acordo com a demanda, por meio de acoplar e desacoplar módulos de produção de acordo com a necessidade do mercado. Isso, por sua vez, casa com o último princípio, a interoperabilidade   que é a capacidade dos sistemas Cyber-físicos de se interconectar, ou seja, os sistemas humanos e artificiais vão se comunicar uns com outros.

Ainda se pode falar sobre os pilares das indústria 4.0, mas são assuntos bem amplos, complexos e úteis para sua vida, por isso, merecem ser destrinchados em outros artigos separados.

Gilbert Uriel Braga Fernandes

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *