Na manhã desta quinta-feira, 23 de agosto, o Núcleo de Orientação Psicopedagógico – NOPP da Funorte, juntamente com professores receberam a visita da psicóloga e egressa da instituição, Rosane Queiroz Duarte, para falar sobre autismo.
Ana Cristina Martins Batista, psicóloga e coordenadora do NOPP, explica que o objetivo da reunião é: “possibilitar um maior conhecimento dos nossos docentes em relação às necessidades especiais que os nossos alunos possam apresentar. Então esse encontro com a profissional Rosane, especialista em autismo, foi justamente para promover uma conversa e, acima de tudo, uma compreensão sobre como trabalhar as questões do autismo”, diz.
Rosane Queiroz Duarte, psicóloga graduada na Funorte, com especialização em terapia cognitiva comportamental, pós-graduanda em neuropsicologia, e ainda trabalha especificamente com o autismo, conta que é muito importante a discussão sobre o tema para os professores. “É um ponto muito relevante para nós, que trabalhamos com inclusão, que é esse o propósito mesmo, que é trazer e compreender o conhecimento para poder intervir”, ressalta Rosane.
Segundo a psicóloga: “é de fundamental importância que essas reuniões aconteçam, cada vez mais, para que se discuta e, principalmente, desmistifique essa visão de que o autista funciona diferente dos demais, mas é um diferente que é igual porque é visto como igual e cobrado como igual. É preciso de adaptação e entendimento para que a comunicação eficiente para que todos lidem bem com a diferença”, conta Rosane.
Patrícia Mendes de Almeida, professora da instituição, destaca que é relevante a troca de informações e experiências para que o docente esteja apto a se comunicar com as diferenças que possa surgir no exercício de sua profissão. “Reuniões como essa trazem para nós mais informações, para mim, por exemplo, foram percepções novas, e ainda trazem mais segurança para lidar com as diferenças”, diz Patrícia.
Para o Naassom Ribeiro, acadêmico do 2º período do curso de Medicina Veterinária Funorte e professor de apoio da instituição, é importante o aprendizado para a vida. “Eu aprendi que todos nós somos diferentes e temos nossas peculiaridades, e apesar disso, não significa que briguemos ou que discutimos uns contra com os outros, mas que devemos entender o outro e nos coloquemos no lugar do outro”, conclui Naassom.
A coordenadora do NOPP, Ana Cristina, diz que pretende fazer mais reuniões sobre os diversos temas. “É importante que, como professores e co-responsáveis pelo aprendizado dos alunos, adquirimos mais conhecimento, sobre os assuntos que envolve o processo de ensino-aprendizagem, potencializando nosso trabalho”, destaca Ana Cristina.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *