Curso de Psicologia da Faculdade de Saúde Ibituruna – Fasi realizou, na quarta-feira (17), palestra para debater as novas formas do cuidar e o matriciamento em saúde mental no Norte de Minas.

Os Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES) têm como objetivo fortalecer a integração entre ensino, serviços e comunidade no âmbito do SUS. A enfermeira Wanessa Moura Silva, do setor de Planejamento da Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros, ressalta a interação que deve haver entre a academia e o cenário de prática. “É de extrema importância a integração entre a rede de serviço e a academia. Então precisamos alinhar o que a academia pensa, do ponto de vista da graduação, no nosso caso especifico, o curso de Psicologia, pois estamos discutindo a saúde mental. E por outro lado, o que a rede está propondo e executando como ação de saúde, para esse usuário do sistema. Desse modo devemos realizar uma construção conjunta, para que não haja esse conflito, mas sim uma cooperação” afirma.

A professora, Carla Martins, explica como surgiu o matriciamento (modo de produzir saúde em que duas ou mais equipes, num processo de construção compartilhada, criam uma proposta de intervenção pedagógico-terapêutica) em saúde mental na cidade de Montes Claros. “Quando a coordenadora Rosangela Silveira assumiu o cargo em 2015, foi instituído o matriciamento em nosso município. Nesse período foram realizadas reuniões com os médicos que estavam nos Caps para que eles se envolvessem nessas atividades” conta.

O Vice Presidente da associação dos usuários-familiares e amigos da rede, Robson Xavier, reforça a importância da aprendizagem e conhecimento sobre a realidade na associação. “O manicômio não existe mais, mas o serviço precisa ser melhorado. Então devemos colaborar e fazer essa aproximação, ouvindo as reivindicações, as sugestões, para que assim, possamos superar todas as dificuldades” conclui.

Wallace Borges

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *