O termo doença Psicossomática é utilizado quando uma doença física ou não, tem seu princípio na mente. O que leva os pacientes a uma consulta em conjunto com um psicólogo.

As doenças psicossomáticas podem se manifestar em diversos sistemas que constituem nosso corpo, como por exemplo: gastrointestinal, respiratório, cardiovascular, dermatológico, endócrino e metabólico, nervoso e articulações.

A docente do curso de Psicologia Funorte, Rosimeire Aparecida de Sá, ressalta que: “Em síntese, poderíamos dizer que as doenças psicossomáticas são aquelas originadas no indivíduo quando os recursos linguísticos e simbólicos não são suficientes para expressão de seus sentimentos, angústias e conflitos internos. Carente de simbolização, às vezes o corpo é convocado a “falar” e a expressar o sofrimento subjetivo que o sujeito sofre de uma forma ‘muda’”, diz.

Ela explica, ainda, que a identificação da doença é difícil, pois: “Causam sintomas físicos, porém sem causas orgânicas, se constituindo por causas emocionais, onde há uma angústia (de base psíquica). Não existe uma condição médica geral diagnosticável que explique plenamente os sintomas físicos” destaca.

Segundo ela, “por se tratar de um problema psicológico que acaba acarretando outros problemas físicos, o diagnóstico deve ser feito por um psicólogo ou psiquiatra. Portanto, o acompanhamento médico é fundamental para o diagnóstico seguro, assim como a confiança do paciente no profissional. A análise de sintomas e de reações do corpo também ajuda a identificar o problema”, frisa.

Rosimeire frisa sobre a prevenção destas doenças. “A forma mais eficaz seria identificar as emoções deficientes ou excessivas, as resistências a mudanças e padrões que limitam comportamentos e interações com as pessoas desencadeando desequilíbrio emocional e, consequentemente as doenças. Torna-se, pois, importante compreender as causas emocionais associadas aos problemas de saúde e identificar o que a doença está sinalizando para, assim, mudar os comportamentos e prevenir o desencadeamento do problema”, finaliza a docente.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *