Nesta terça-feira, 08 de janeiro, egressos da Funorte e “Alunos destaque” da última colação de grau, que aconteceu no mês de dezembro, participaram de entrevista na Rádio 104,9 FM, no programa Show de Fred Silva.

Em conversa, os profissionais de Jornalismo, Enfermagem e Engenharia Biomédica falaram sobre a trajetória da graduação, oportunidades do mercado de trabalho e perspectivas para o futuro. Com planos de cursar Mestrado e Doutorado, a jornalista Hellen Patriny ressaltou a importância da especialização e da busca por um espaço em meio às oportunidades na área. “Vivemos um período de recessão econômica, porém, tenho perspectivas de adesão no mercado. Acredito que o profissional que é dedicado sempre terá vaga, mas é fundamental se especializar, pois quanto mais capacitado você estiver, melhor será a sua colocação no mercado. A minha perspectiva é fazer Mestrado e Doutorado e me adentrar para a área da docência, principalmente voltada para o ensino superior. Pretendo, também, atuar dentro de mercados como rádio, TV e outros, porque acredito que o profissional tem que ser muito bom em algo, porém, ele tem que saber um pouco de cada área e ter experiência para que, se em algum momento for exigido que desenvolva determinada atividade, que ele seja capaz de realizar”, frisou.

A comunicadora ainda incentivou que, profissionais recém-formados, não desistam da profissão e busquem novas vertentes de atuação. “Outras áreas que crescem são os concursos públicos, então, vamos acreditar que com estas novas vertentes governamentais, haja uma reforma do sistema público e que abra vagas para estes profissionais que estão entrando no mercado. O jornalismo tem uma evolução constante, por isso, é preciso que o profissional se adapte cada vez mais e procure atualizações. Outra possibilidade é exercer o jornalismo independente, então, a mensagem que deixo para meus colegas de profissão é que, mesmo que não sejam absorvidos pelo mercado, que não se afastem da área e não desistam. Não forme em jornalismo e vá trabalhar em qualquer área forçado pelo mercado, claro que todos sabem de nossas condições e necessidades, mas busque estar dentro da área, fazer um networking, falar sobre determinados assuntos para que, quando surgir uma vaga, se lembrem de você e do quão bom você foi”, destacou a jornalista.

Graduado em Enfermagem, Lucas Faustino falou sobre a escolha por estudar da Funorte e dos diferenciais que a instituição possui, principalmente por oferecer oportunidade dos estudantes realizarem a prática desde o início a graduação. “Escolhi a Funorte por ser uma rede de educação consolidada no norte de Minas e por ter colegas que já haviam cursado Enfermagem na instituição e, assim, conhecer um pouco das atividades desenvolvidas. Também, pelo diferencial dos estágios, da prática e das possibilidades enquanto acadêmico. Hoje, temos o Hospital das Clínicas Dr. Mário Ribeiro da Silveira, que tem um campo de atuação com uma gama de oportunidades e que possibilita que estejamos inseridos na prática desde o primeiro período da graduação e, isto, é um diferencial muito grande. Nós da Enfermagem, temos várias vertentes e precisamos estar sempre dinâmicos e atentos às oportunidades, pois, não temos somente hospitais e a Saúde da Família como campo de atuação, mas também a Saúde do Trabalho, cuidados paliativos e área de gestão, então, é uma gama de oportunidades muito grande e temos que estar abertos às transformações do mercado, sermos profissionais em constante metamorfose, nos especializarmos e estar atentos às modificações que acontecem no mercado”, frisou o enfermeiro.

Uma das áreas que também oferecem um bom mercado é a Engenharia Biomédica. Também formando recentemente, Flávio Rocha da Fonseca destaca os diferenciais da profissão e ressalta qual deve ser o perfil do acadêmico para que seja destaque. “O perfil do acadêmico de Engenharia Biomédica é gostar de tecnologia, ter interesse pela área da saúde, da inovação, além de gostar de descobrir, desenvolver protótipos, de eletrônica, e de programar. A Engenharia Biomédica é um curso com várias possibilidades, temos profissionais que vão se direcionar para a área da saúde, outros para a área da Engenharia e os que vão misturar as duas coisas. Então, é preciso gostar de estudar, pesquisar, correr atrás de inovação, saber como é a realidade da área e o que podemos melhorar”, frisou.

Flávio completa ao explicar que, “o mercado para o profissional se diferencia um pouco das outras Engenharias por prestar serviço para a saúde, que é um mercado muito dinâmico e que está sempre se atualizando. A todo instante, existem pessoas precisando de serviços da saúde e, uma pesquisa indicou que o mercado da indústria médica, apesar de estar em um período de recessão, continua crescendo. Então, percebemos que, quando estivermos numa situação econômica melhor, este mercado estará cada vez mais aquecido, pois é um mercado que cresce constantemente, independente da fase que estivermos. Assim, o acadêmico vai perceber que existem diversas áreas de atuação, em que ele pode se encaixar, e cabe a ele mostrar a profissão para a sociedade, para que as oportunidades que existam venham até ele, pois, muitas vezes, existem muitas áreas para o engenheiro biomédico e, pelo fato do empregador não conhecer a profissão, entrega para outro profissional que não é o mais correto para exercer a função”, ressalta o engenheiro biomédico.

Os três profissionais receberam medalha de destaque do curso na cerimônia oficial de Colação de Grau. Hellen destacou o que a homenagem representa para ela e estendeu o mérito para todos os colegas de graduação. “Receber a medalha de aluna destaque foi um prazer enorme, principalmente, por representar a conclusão de um período de minha vida em que me dediquei aos estudos e por demonstrar todo o meu carinho pelos meus colegas, por minha família, que me apoiou em todos os momentos durante este trajeto; e a toda a faculdade, por ter me proporcionado a possiblidade de conhecimento para que, após a graduação, eu me tornasse uma pessoa melhor, pois acredito que devemos estar sempre em busca da nossa melhor versão e, com certeza, a graduação, a Funorte e todas as pessoas que estiveram comigo neste período, contribuíram para que eu me tornasse uma pessoa melhor. Ser uma aluna destaque não significa que eu seja melhor que meus colegas porque muitos me ajudaram e aprendi muito com cada um. Então, é uma emoção muito grande receber a medalha e finalizar o curso da melhor maneira possível”, concluiu a jornalista.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *