“Escolhi a Funorte por ser uma Faculdade referência na região e pela minha afinidade com a instituição”, este é um depoimento do engenheiro civil Anderson Ferreira Silva, 37 anos e natural de Montes Claros, que concluiu a graduação em 2016.

A Engenharia Civil é uma das áreas que exigem mais responsabilidade do profissional, pois é este quem elabora projetos, analisa materiais, entre outras funções que garatem a segurança da construção. Para Anderson, porém, a maior dificuldade que desrespeito à profissão, é a inserção no mercado de trabalho. “Dado a situação econômica atual do país, o grande desafio da Engenharia é o espaço no mercado de trabalho. O setor de construção civil (2°do país) sempre foi um dos maiores contribuintes no PIB do Brasil, porém, atualmente tem enfrentado dificuldades em função da crise política e econômica, devido às principais empresas do setor estarem envolvidas em ilícitos e corrupção, fez com que as médias e pequenas empresas que sobrevivem da terceirização das atividades reduzissem, ou até mesmo fechassem as portas, por falta de serviços, além, é claro, da redução do crédito, tornando mais caro as linhas de financiamentos bancários (taxas elevadas) para aquisição de imóveis e subsídios menores e, também, a renda familiar, que diminuiu devido inflação e aumento dos preços da cesta básica e principais gastos familiares, inversamente proporcional aos reajustes de salários dos trabalhadores”, destacou o egresso Funorte.

Após a conclusão do curso de Engenharia Civil, Anderson se especializou em MBA Gestão Produção e Qualidade pela FGV. Em relação ao período da graduação, o engenheiro avalia bem a qualidade do ensino da Funorte e relata quais as melhores lembranças desta época. “Fiz muitas amizades durante a graduação, além de relacionamentos com profissionais da área, que nos possibilitaram a troca de experiências e novas relações de trabalho’, frisou Anderson, que atua, hoje, como engenheiro civil autônomo.

“Trabalho na elaboração de projetos, acompanhamento de obras, consultorias e aulas particulares”. Ele finaliza ressaltando quais são seus planos futuros. “Pretendo abrir uma empresa individual ou em parceria com outros profissionais para prestação de serviços em elaboração de projetos civis, estruturais, arquitetônicos, hidráulicos, elétricos, consultorias, etc e docência em ensino superior”, concluiu o egresso.

Greiciely Rodrigues

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *