O Jornalismo é a área da comunicação que mais se aproxima do público, pois, através deste profissional, que as pessoas têm acesso às notícias. Em sua rotina, o jornalista é responsável por investigar e divulgar fatos de interesse público.

Christine Antonini, 25 anos, graduou-se em Jornalismo pela Funorte, em 2015. Segundo ela, a profissão sempre foi um sonho e a qualidade da instituição foi um diferencial na sua escolha. “Ser jornalista era algo que sempre almejei, desde criança brincava de ser repórter, fazia entrevistas. Então, decidi cursar na Funorte, que também era a faculdade mais próxima da minha cidade, pelo fato de os professores, em sua maioria, serem muito bons e nos preparar, realmente, para o mercado de trabalho, sem enfeitar, a verdade nua e crua”, destacou.

Natural de Januária- MG, Christine ressalta qual o maior desafio do mercado de trabalho em Montes Claros, onde vive hoje. “O desafio constante é mostrar que podemos ser bons mesmo sendo novatos no mercado. É difícil competir com quem já está há 20 anos, mas acredito que há espaço para todos”.

Apesar das dificuldades, ela afirma que o conhecimento adquirido na graduação foi fundamental para seu sucesso profissional. “A Funorte contribuiu para meu sucesso, principalmente nas disciplinas de Assessoria de Comunicação, que é muito bem executada por meio da professora, Ana Carolina Rametta”.

Além da graduação, a jornalista é especialista em Marketing Político e atua na assessoria de imprensa de um vereador de Montes Claros, na assessoria de comunicação em uma empresa de marketing digital e também trabalha como repórter do Jornal O Norte de Minas.

Diante de sua trajetória, ela explica qual deve ser o perfil de um acadêmico de Jornalismo e dá dicas para quem deseja cursar a graduação. “O acadêmico deve ter humildade para aprender, pois sempre aprendemos algo novo. Por mais difícil que pareça, devemos ser imparciais. Deixar nossa opinião para nós mesmos, sem expor em redes sociais ou em grupos políticos, pois, futuramente, isso vai influenciar muito numa contratação. Outra dica é conseguir vários estágios ao longo da graduação, mesmo se não for remunerado para que possam ter contatos futuros. O jornalista precisa ter uma boa rede de contatos para se firmar no mercado e para ser possíveis fontes”, destacou.

Christine finaliza ao falar de seus planos futuros. “Quero me especializar ainda mais nesse ramo político é uma área difícil, mas que desperta meu interesse”.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *