Neurologia é uma especialidade médica que trata os distúrbios estruturais do sistema nervoso. Na clínica escola do curso de Fisioterapia Funorte, os acadêmicos passam pelo estágio supervisionado em “Neurologia para Adultos” e são preparados para atuar no tratamento de reabilitação das principais doenças neurológicas.
“A especialidade se dedica no diagnóstico e tratamento das doenças que afetam o sistema nervoso como: cérebro, tronco, medula espinhal e nervos”, diz a docente e supervisora de estágio, Alice Teixeira de Abreu.
De acordo com Alice Teixeira, no 9º período, os acadêmicos têm a oportunidade de conhecer mais a fundo esse universo neurológico. “O principal objetivo é proporcionar ao aluno conhecimento das principais patologias neurológicas, além de fornecer subsídios para o correto diagnóstico e tratamento adequado”, exemplifica a docente.
Para a professora, o estágio é uma parte importante para o conhecimento teórico e prático aprofundado sobre a intervenção fisioterapêutica em pacientes adultos portadores de patologias neurológicas.
“Existem casos em que a recuperação pode demorar várias semanas ou meses, como no caso da síndrome de Guillain-Barré, uma inflamação grave nos nervos do paciente, o que impede que os nervos transmitam bem seus sinais do cérebro para os músculos, nesse caso é necessário tratamento imediato para evitar a progressão rápida da doença” explica.
Ainda segundo Alice Teixeira, os acadêmicos estudam e acompanham vários casos para que possam adquirir conhecimentos necessários a cerca das doenças neurológicas.
Conheça as doenças mais comuns tratadas pelo neurologista:

  • Síndrome de Guillain-Barré, inflamação nos nervos que pode levar a paralisia dos membros, músculos e da respiração.
  • As Cefaléias ou dores de cabeça.
  • Distúrbios do sono como: insônia, excesso de sono, sono não restaurador, tronco, apneia do sono.
  • Doenças cérebro-vasculares (AVC) ou “derrames”, Acidente Vascular Encefálico (AVE).
  • Distúrbios do movimento como: tremores, tics e doença de Parkinson.
  • Demências (como doença de Alzheimer).
  • Esclerose Múltipla.
  • Neuropatias periféricas como, por exemplo, a diabética.
  • Doenças musculares e de junção.
  • Desmaios, crises convulsivas e epilepsias
  • Tonturas e vertigens.
  • Infecções do sistema nervoso como: meningites e encefalites.
  • Doenças degenerativas.
  • Déficit de atenção e hiperatividade.
  • Perda de memória, confusão, perda de força, alteração na visão, mudança de comportamento.

Gabriele Santos

 

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *