Acadêmicos do 4º período do curso de Fisioterapia participaram de exposição de objetos confeccionados por eles para trabalhar o desenvolvimento motor e cognitivo de crianças atendidas na Clínica de Neuropediatria da instituição.

O principal objetivo do trabalho foi estimular os alunos a confeccionarem utensílios utilizando, como matéria prima, materiais recicláveis, artesanais e de baixo custo. A atividade foi proposta pelas docentes Ana Cláudia Rodrigues Chaves e Lígia Maria Soares Martins, que ministram a disciplina Psicomotricidade em Fisioterapia.

Para Lígia, explica a importância do trabalho para os estudantes e para o tratamento dos pacientes. “Desenvolvido pelos acadêmicos após as aulas teóricas, o trabalho incentivou os estudantes a criarem recursos que auxiliam no desenvolvimento e reabilitação de crianças. Os recursos foram confeccionados pelos próprios, cada um com sua funcionalidade, como: trabalhar motricidade fina e grossa, esquema corporal, lateralidade, sensibilidade, ritmo entre outros”, destacou a docente.

Antes da exposição, os estudantes apresentaram relação de faixas etárias de cada fase do desenvolvimento e como estimular cada uma delas. Após, criaram os objetos que, logo depois da apresentação, foram doados para o laboratório de Neuropediatria do campus Amazonas e para o Asilo São Vicente de Paula para serem utilizados por acadêmicos de Fisioterapia que fazem estágio nas unidades.

A docente Ana Cláudia destaca que “o trabalho é importante, pois permite que o acadêmico tenha consciência da necessidade de trabalhar com objetos sustentáveis e, simultaneamente, estimule a criatividade para confecção das peças. Além disso, os objetos serão utilizados na Clínica de Neuropediatria, onde são atendidas crianças e adolescentes com disfunções neurológicas e fará com que o tratamento seja feito de forma lúdica”, destacou.

As equipes criaram tapetes com postura e textura, tábua de cores, amarelinha com bambolês, tábua com tomadas e apagadores, entre outras peças. Lígia falou sobre o resultado das apresentações. “O trabalho superou minhas expectativas, os alunos tiveram muito zelo e capricho na confecção dos materiais. Pensaram em tudo, estimulo visual (muitas cores), auditivo (brinquedos com sons), etc. Enfim, o objetivo foi alcançado e tenho certeza que a doação contribuirá muito para os atendimentos fisioterápicos”, frisou a docente.

A equipe da acadêmica Izabel Silva Rocha Santana desenvolveu uma tábua de AVDS (Atividade de vida diária), uma tábua de cores e tapetes de postura e texturas. Ela ressalta a importância que esta experiência teve para sua formação. “O trabalho nos permitiu um raciocínio mais amplo, em relação a objetos do nosso dia a dia que podem ser de extrema importância para o tratamento das crianças atendidas na Clínica da faculdade. Nos fez enxergar, ainda, de forma diferente, objetos que para a maioria eram apenas lixo, ou algo que passaria despercebido, como garrafas pet, trincos de porta, pregadores de roupas, torneiras, etc. Nós utilizamos a imaginação e o conhecimento obtido na disciplina de Psicomotricidade para transformar esses objetos e muitos outros em parte do tratamento de muitas crianças”, frisou a estudante.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *