Com atividades voltadas à população de gestantes, o campus Funorte Amazonas oferece estágio aos acadêmicos e, com isto, a possibilidade de aprimorarem seus conhecimentos, na prática.

As pacientes têm a oportunidade de receber um atendimento hospitalar mais humanizado, com menor duração e dor no trabalho de parto, além de reduzir complicações no pós-parto através do serviço exclusivo do Hospital das Clínicas Doutor. Mário Ribeiro da Silveira.

Muitas gestantes ainda não conhecem o trabalho do fisioterapeuta especialista em obstetrícia. A coordenadora de Fisioterapia, Luciane Vieira, explica no que se baseia esta área. “A obstetrícia consiste em melhorar a qualidade de vida no período gestacional, principalmente amenizando as disfunções e dores neuromusculares provenientes das adaptações funcionais deste período, contribuindo para uma gestação mais segura”, ressalta.

Luciane frisa, ainda, que esta é uma etapa muito importante para conhecimento dos alunos. “O estágio supervisionado em Fisioterapia obstétrica proporciona aos acadêmicos uma vivência e aprendizado únicos para a formação profissional, além de ser uma oportunidade para a população gestante receber um atendimento hospitalar mais humanizado,” afirma.

Para o acadêmico do 9° período, Leonardo Felipe Araújo, o estágio é uma gratificação, principalmente pela satisfação das pacientes. “Temos a oportunidade de já poder atender às pacientes, uma experiência fascinante, pois além de conseguirmos fazer a avaliação, também ajudamos as novas mamães a realizarem exercícios que irão facilitar o processo de recuperação, e passamos orientações sobre a amamentação correta, tais como posições e maneira do bebê amamentar”, diz.

A estudante de Fisioterapia, Daiane dos Santos Teixeira, também participa do estágio. Segundo ela, “é notável que esta experiência no Hospital das Clínicas traz benefícios para a comunidade e acadêmicos, além de poder contribuir para a saúde, adquirir novos aprendizados, tanto para os que recebem orientações, quanto os que transmitem”, salienta.

Intervenção Fisioterápica

De acordo com a docente de Fisioterapia, Marcela Caires, a intervenção Fisioterápica na assistência obstétrica, como parte da rotina da equipe, veio contribuir para uma participação mais ativa da gestante durante o parto por meio do uso do próprio corpo. “São utilizados movimentos e posicionamentos direcionados pelo fisioterapeuta que favorecem o ganho de dilatação, diminuem o período de trabalho de parto e favorece mais bem estar para a mulher neste processo” explica.

Além dessa assistência, as gestantes são direcionadas, quando necessário, para o atendimento no pós-parto tardio ou remoto, na Clínica Escola de Fisioterapia da Funorte.

Erica Cristina de Souza é acadêmica da Funorte e faz acompanhamento de fisioterapia pré-natal na clínica escola do Campus Amazonas, aos sete meses de gestação.“A fisioterapia tem me ajudado a diminuir as dores lombares, a me preparar melhor para o parto normal e viver mais plenamente este momento tão importante da minha vida. Já não tenho medo de enfrentar o parto e pós-parto, pois sei que posso contar com esta equipe,” enfatiza a gestante.

Betânia Borém é especialista na saúde da mulher e realiza um amplo trabalho na reabilitação das incontinências urinária e fecal, atua na sexualidade feminina e no acompanhamento obstétrico. A fisioterapeuta e docente explica que as atividades de fisioterapia trazem benefícios não só durante, como após a gravidez. “O acompanhamento no pós-parto imediato auxilia no retorno às condições pré-gestacionais, reabilita a musculatura do períneo, previne as complicações comuns neste período e auxilia no processo de aleitamento materno com orientações específicas”,exemplifica Betânia.

A tranquilidade durante o trabalho de parto é um dos principais objetivos da Fisioterapia obstétrica. Daniele Correa Guimarães é médica obstetra e fala sobre a relevância dos exercícios. “São importantes para as gestantes, uma vez que as mantêm tranqüilas e confortáveis, além de colaborar para um período expulsivo mais curto e efetivo”, conclui.

Gabriele Santos

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *