Durante a Jonafes, no dia 22 de setembro, o curso de Estética e Cosmética teve em sua programação palestra cujo tema foi: “Melasma-Causa, Sintomas e Tratamentos”, ministrada por Alexander Cordeiro Teixeira, médico especializado em medicina estética, dermatologia e dermatologia aplicada.

Apesar de ser uma doença, o melasma influência consideravelmente no trabalho dos profissionais do ramo de Estética e Cosmética, que por sua vez, apesar de não serem médicos, convivem diariamente com clientes portadores do problema e que os cobram soluções para amenizar a mancha na pele.

Houve grande participação das acadêmicas que tiraram suas dúvidas e fizeram comentários sobre situações que já enfrentaram em relação ao tema. Segundo Lilianny Mendes Soares Araújo, coordenadora da graduação, a escolha do tema para palestra levou em consideração fatores geográficos. “É importante falar sobre o melasma devido ao número de casos que encontramos aqui em Montes Claros por causa do sol”. Ela completa falando sobre a importância desses eventos para a formação dos alunos. “Precisamos mostrar aos alunos o valor dessas aulas, que são diferenciadas e que têm grande significação na introdução acadêmica, além de abranger e promover a integração da faculdade como um todo”.

Alexander ministra palestras sobre discromias há algum tempo e nem sempre os que assistem estão acostumados com os termos técnicos da medicina.  Segundo ele, no caso do melasma não há essa preocupação. “O melasma é quase integrante do conhecimento comum, não é necessária formação técnica para se ter noção sobre a doença. Neste caso específico e no ramo da estética, a doença atinge nosso dia a dia”. Ele complementa dando uma dica essencial para prevenção da mancha na pele. “O uso do protetor solar é fundamental, mas tem que ser de maneira e no tempo correto, já que os produtos que encontramos para fotoproteção têm durabilidade de apenas duas horas”.

Também foi falado durante a palestra, sobre os produtos para tratamento e do encaminhamento do paciente ao médico quando se percebe que é necessário um tratamento mais clínico.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *