Foi realizado nesta terça-feira, 22 de agosto, no Auditório Ray Colares do campus JK da Funorte, evento “Encontro da Engenharia Mecânica”, que contou com a presença de acadêmicos do 1º ao 6º períodos, direção e profissionais da área.

Segundo o diretor das Engenharias Integradas Funorte, Pedro Almeida, a finalidade deste evento foi promover a discussão sobre as inovações da profissão. “Foram abordados temas como: CNC/Comando Numérico Computadorizado, Indústria 4.0, Manutenção Industrial, Softwares Aplicados, Visão da Indústria: desafios para a Engenharia Mecânica. O encontro proporcionou a todos os acadêmicos da Engenharia Mecânica, um fortalecimento do trabalho em equipe, projetos integradores e dinâmica de participação em eventos como palestras, visitas e viagens técnicas”, frisou o diretor.

Pedro ainda apresentou, durante as abordagens, uma análise sobre a indústria 4.0, que é um conceito de indústria proposto recentemente com a finalidade de englobar as principais inovações tecnológicas dos campos de automação, controle e tecnologia da informação, aplicadas aos processos de manufatura. “Esta discussão objetiva-se uma visão geral das tecnologias emergentes atuais, empregadas na Engenharia Mecânica, com foco na Integração do Homem, Máquina e Processos, que é a indústria 4.0 ou 4ª Revolução Industrial”, ressaltou.

Além do diretor, docentes e convidados também apresentaram sua visão sobre temas da Engenharia Mecânica. A professora mestre Isadora Cândido abordou sobre Softwares Aplicados. Ela citou a importância de saber identificar o software mais adequado e aprender a analisar os resultados. “É preciso pesquisar quais softwares atendem melhor ao seu projeto e, principalmente, saber interpretar os resultados, pois tudo que colocamos no software, ele nos dá uma resposta, mas quem analisa e verifica qual o melhor material para utilizar, é o engenheiro”, explica Isadora.

O docente especialista, Paulino Celestino, abordou sobre Manutenção Industrial. Segundo ele: “é necessário planejar a disponibilidade (prazo de produção) e ter uma equipe comprometida, pois uma simples parada na produção traz um prejuízo muito grande ao trabalho”.

Outra abordagem do evento foi o CNC (Comando Numérico Computadorizado), apresentado pelo especialista, Arlan Nunes. Ele frisou a evolução da automação e a importância do engenheiro saber realizar os comandos. “O CNC trabalha com programação e permite o controle de máquinas, mas o engenheiro precisar criar os códigos para que o computador possa executar. Então o conhecimento do profissional é de suma importância, pois ele que vai decidir pela melhor estratégia”, ressaltou o palestrante.

Concluindo o evento, o representante da indústria, doutor Carlos Eduardo Torres, foi convidado a falar sobre os desafios para a Engenharia Mecânica. Ele frisou sobre processos de manutenção e a importância de valorizar o conhecimento. “A tecnologia muda o tempo todo, mas atrás dela está a ciência e os conceitos. Estes fatores são compreendidos ainda na academia, pois quando estiverem no mercado de trabalho, a vivência será mais prática, mas para executá-la vocês precisarão dos conceitos, que são aprendidos na fase mais importante da formação, ou seja, na graduação”, destacou.

O evento possibilitou aos acadêmicos, uma análise sobre o mercado de trabalho e uma visão do que precisarão para ser um profissional de destaque. Dórica Samara Rodrigues Silva, do 6º período, ressaltou que o debate serviu para amplificar seus conhecimentos e mostrar quais são as exigências atuais da área. “Através destas discussões, tivemos uma nova visão do mercado de trabalho e isto nos fortaleceu e nos deu mais segurança, pois como a tecnologia inova constantemente, temos um pouco de insegurança sobre o nosso futuro profissional, mas o receio diminui quando temos acesso a eventos como este, em que profissionais com experiência nos dão uma base de como se preparar”, ressaltou.

Já para Lucas Ferreira Espíndola, acadêmico do 1º período, a experiência é mais enriquecedora, já que ele tem incentivo desde o começo da graduação. “A Engenharia Mecânica é a área que sempre me atraiu e, por isso, eu busco aprender o máximo. Assim, estas abordagens me deram uma visão maior de que preciso continuar me dedicando para ser um bom profissional”, concluiu o estudante.

Greiciely Rodrigues

 

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *