No dia 23 de setembro, encerrando as programações do JONAFES, os acadêmicos do curso de Engenharia de Alimentos participaram do minicurso ministrado pelo professor Luiz Fernando Botelho sobre abatimento de coelhos. No curso, ele explicou sobre a origem do coelho, suas características, raças, maneiras de cortes da carne e sobre o crescimento da área no estado.

De acordo com Luiz Fernando, a carne de coelho faz parte da cultura europeia e, por isso, é mais consumida no sul do país. “O preconceito ainda é muito grande, mas a carne é uma questão cultural. Ela é uma carne muito boa, com pouca gordura, colesterol baixo e produção simples. É por isso que hoje, o Sebrae do DF incentiva a cunicultura (criação de coelhos)”, explica.

A carne tem gosto parecido com frango, como afirma Luiz Fernando, e deve ser ingerida imediatamente. “O aconselhado é que a carne dique no tempero por pelo menos 12 horas para que o mesmo possa “adentar” no alimento”, ressalta e completa: “o primordial é ter cuidado com a seleção do coelho porque se fizer de maneira errada pode lesionar a carne”.

Acadêmico do 5º período, João Marcos Moreira, já é formado em técnico de alimentos e gosta da área de abatimento. “Quando me formei no curso técnico sempre tive vontade de aprender as técnicas e saber mais sobre abatimento de animais. É uma área que tenho afinidade. Acho muito legal”, afirma.

Mariana Correia

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *