Durante o período que cursam a faculdade, muitos estudantes optam por deixar o interior ou a casa dos pais e residir em uma um local alugado. Com esta escolha, eles buscam praticidade e conforto, já que morar próximo à faculdade faz com que o acadêmico reduza gastos com transportes, além de diminuir o tempo que perdem no trajeto.

Porém, há algumas questões que podem se tornar um desafio. Como a parte burocrática do aluguel, que envolve a necessidade de documentos, pagamento de contas, condomínio e, em alguns casos, até a apresentação de fiadores e comprovação de renda.

E para não ter problemas, é preciso considerar alguns cuidados na hora de assinar o contrato. O advogado Lucas Nogueira explica que “contratos têm um leque de opções muito grande e podem conter cláusulas que a pessoa desconhece ou não compreende, mas mesmo assim consente e pode ser prejudicada depois. A garantia maior seria consultar o contrato com um advogado, mas na ausência deste, deve-se ter atenção para esses quatro itens: os valores e o reajuste periódico, que será feito no aluguel para não surpreender as partes; uma forma de contato; duração do contrato caso já se saiba o tempo que deverá ficar no imóvel; e responsabilidades como condomínio, IPTU e taxas, água, etc.”, aconselha.

Lucas ressalta, ainda, que os locadores também devem ser resguardar, por isso é solicitado uma garantia ao inquilino. “A lei permite ao locador exigir uma garantia, podendo escolher entre algumas opções previstas na própria lei, como depósito em garantia, ou nomear um fiador”, cita o advogado.

A estudante Lucimery Lopes, optou por alugar uma casa e morar próximo da faculdade. De São João da Ponte, ela veio para Montes Claros com o objetivo de fazer estágio. Ela fala que a mudança proporcionou vantagens e desvantagens. “Mudei, pois precisava fazer estágio, assim pude morar perto do local, mas desde o começo tive dificuldade, já que os valores dos aluguéis são altos, além de gastos com água, luz, que não eram inclusos”, ressalta a estudante.

Para que não haja insatisfação, Lucas aconselha que o locador forneça o maior número de informações no contrato. “O contrato de locação deve ser escrito, formal, e conter a identificação das partes junto com uma forma de contato, descrição do imóvel e as condições em que se encontra, a responsabilidade do locador e do locatário, o valor do aluguel, como será reajustado e a forma de pagamento e, por fim, o tempo de locação juntamente com as assinaturas das partes, não é necessário o registro do contrato em cartório”, finaliza.

Advogado: Lucas Nogueira

OAB 169.177

Greiciely Rodrigues

 

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *