Colaboradores do colégio Indyu se preocupam com uso indevido das redes sociais

 

O colégio Indyu se preocupa com seus educandos em todos os aspectos, sempre apoiando e observando suas atitudes. Há uma preocupação quanto ao uso indevido de plataformas digitais, visto que a maioria dos jovens, hoje em dia, têm acesso aos conteúdos disponibilizados pela internet e podem produzir qualquer tipo de informação. O acompanhamento é feito de perto, junto aos pais, para que os alunos não sejam prejudicados em nenhum momento.

Segundo o dicionário, bullying é assédio moral ou intimidação. Neste caso, o cyberbullying é qualquer tipo de violência praticada na internet que pode trazer graves consequências. A assessora pedagógica, Luciana Mota, é colaboradora da instituição e faz um trabalho de intervenção com os alunos, sempre trazendo-os para perto, com o intuito de apoiar e acompanhar seu desenvolvimento “A escola é parceira da família em combate as várias formas de bullying. É importante que toda a comunidade escolar, junto aos pais estejam atentos e busquem informações sobre o assunto, para evitar qualquer situação indesejada”, diz.

Assim como o bullying, as ações são praticadas com o intuito de intimidar, humilhar ou agredir e moral e muitas vezes até fisicamente outra pessoa. A maior dificuldade no caso do Cyberbullying é encontrar o agressor por trás de uma tela, visto que quando as ações são feitas pessoalmente, o responsável é facilmente identificado.

Muitos jovens não sabem lidar com situações deste tipo, o que pode causar depressão, exclusão, ansiedade, pensamentos negativos, destrutivos, entre outros transtornos. Nem sempre os pais e a escola sabem sobre as agressões, pois muitas vezes acontecem em momentos oportunos e alguns jovens têm vergonha de dividir esses problemas com adultos.

Para muitos, por não ser uma agressão física, este tipo de assédio tem menos consequências, porém, existem casos de suicídio de jovens que viviam neste cenário, depressão automutilação, dentre outras práticas. Xingamentos, fotos, vídeos, boatos, qualquer tipo de perseguição em redes sociais, é intitulado cyberbullying e é crime. Desde 2016, segundo o site da Câmara dos deputados, tal prática é um crime contra a honra e prevê punições.

A denúncia deve ser feita, com um boletim de ocorrência e solicitado o rastreamento do agressor. O conteúdo deve ser excluído e cabe ação judicial na esfera cível, com indenização, e ação judicial na esfera criminal, para punição do agressor.

Anna Louisa Narciso

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *