Nessa quinta-feira, 7, o SPA ESCOLA – local específico para aprimoramento e práticas dos acadêmicos (as) do curso de Estética e Cosmética, foi o cenário escolhido para apresentação do PIM – Programa Integrador Multidisciplinar. Foram quatro trabalhos apresentados, com base em artigo científico e estudo de caso e de técnicas aprendidas em sala de aula.
Entre os temas apresentados nessa edição estão “Tratamento de acne ativa e cicatrizes em pele negra”, com a modelo Raíssa de Souza Rodrigues; “Peeling químico no tratamento do Melasma”, modelo Aparecida Lopes da Silva; “Peeling químico no tratamento do envelhecimento precoce”,modelo Eliene Dias Passos e “Peeling químico no tratamento das Hipercromias pós inflamatórias”, com a paciente Natália Rodrigues.
A professora Alessandra Ribeiro, responsável pela disciplina e por acompanhar os estudos de caso, explica o propósito desse trabalho, “o objetivo desse é a conclusão do curso – o tecnólogo é um pouco diferente no contexto do tcc -. Essa turma tem uma característica diferente porque fizeram um artigo científico dos tratamentos que foram realizados aqui dentro do SPA. Todos foram feitos em volta do peeling […], e o que a gente espera é que elas levem a vontade do estudo, de continuarem investindo em qualificação daqui pra frente, após a formatura.”
As acadêmicas Sarah Buncket Fernandes e Thaís Ramos Nobre, satisfeitas com o trabalho desenvolvido, enfatizaram o apoio recebido em sala de aula e em quê se basearam para desenvolvê-lo:
“Teve várias etapas – mais ou menos em cinco encontros – e em cada um deles, tivemos uma experiência diferente e bons resultados no decorrer dos procedimentos. Tudo isso, serviu de aprendizado pra gente porque pegamos uma modelo para ver os resultados que poderiam ser obtidos a partir da pele dela e é satisfatório ver a pessoa que chega com manchas no rosto e após o tratamento, a autoestima melhora e a satisfação também.”
Enquanto isso, as acadêmicas Joane Tatiele Souza Rodrigues, Joyce Kelly Oliveira Telles Martins e Natália Guimarães Rodrigues Timóteo, reportam sobre a base dada pelo curso para produção do trabalho apresentado:
“A pele negra tem uma reação diferente da pele clara. Há ainda poucos estudos e artigos sobre a acne na pele negra e, por esse motivo, decidimos focar nessa área porque ela tem uma sensibilidade maior a ácidos. O curso nos deu um embasamento científico que nos auxiliou na escolha dos produtos e técnicas a serem utilizadas que não teriam reação negativa na pele negra… através disso, nos sentimos mais confiantes, seguras e aptas para atuar no mercado de trabalho.”

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *